O que eu fiz com a minha ótica?

Artigo escrito por: Luiz Alberto Mota Amorim

Alguns empresários e novos empreendedores do setor, ainda se surpreendem com o caos em que se transformaram suas óticas. Baixo faturamento, estoques obsoletos e desatualizados, funcionários desmotivados e clientes insatisfeitos, são, dentre outras mazelas, a tragédia anunciada da gestão temerária.

Colaboradores

Destaco dentre estas mazelas, a falta de critérios na seleção e treinamento dos colaboradores. Sem os requisitos básicos para esta tarefa, o empresário se joga nesta aventura com métodos empíricos, para descobrir adiante que “criou cobra para lhe morder”. São pessoas de má índole que se apresentam prometendo trabalho e comprometimento, abrem um sorriso largo para merecer o emprego, mas logo estão conspirando contra àquele que confiou nas suas belas palavras de fidelidade.

A competição comercial vem se tornando, cada vez mais cruel e implacável com os gestores amadores e, àqueles que não buscaram a qualificação e formação necessária para tocar seu negócio. A era do sequestrador de caixas ao final da semana está com os dias contados. Não se tolera mais este tipo irresponsável e perdulário de empresário que confunde o caixa da empresa com o próprio bolso.

Controle de Caixa

Ter a ótica como única fonte de renda, exige que o faturamento seja muito elevado para assegurar uma retirada que atenda as necessidades pessoais do gestor. Retirar o dinheiro do caixa sem o devido controle e obediência pela legislação, é uma prática lesiva e um crime aos propósitos de sobrevivência da ótica.

Receba dicas de gestão para Óticas diretamente no seu e-mail!

Os impostos são o grande vilão do momento, afinal a máquina de arrecadação tornou-se eficiente nos vários níveis, e o governo agora é o sócio majoritário que não abre mão da sua retirada mensal. Sonegar é crime e pode dar cadeia, e, não pagar impostos por falta de recursos pode fechar a empresa mais cedo do que se imagina.

Esteja Presente

Conheço um empresário que pouco visitava sua ótica, confiando plenamente nos seus colaboradores.

Recentemente ouvi deste empresário que o lucro estava sumindo e o faturamento caindo para níveis insuportáveis. Vendo a ameaça de perder seu negócio, agora é ele quem abre a ótica pela manhã e quem fica para fechar o caixa ao final do expediente. O faturamento melhorou, os clientes retornaram e agora ele respira mais aliviado. Foi este empresário quem me cedeu o título deste artigo, afinal a conclusão da sua omissão foi: “Professor Amorim, o que eu fiz com a minha ótica?”

Conclusão

Fica então o alerta para que, mais do que nunca observemos o dito popular “o boi só engorda às vistas do dono”. O ser humano pode ter no seu DNA as virtudes de um nobre, mas também pode ter herdado os vícios dos canalhas. Para descobrir com quem você lida, é preciso acompanhar de perto todas as ações. Nunca se sabe o tipo de excepcionalidade que molda o caráter ou induz o indivíduo ao erro. Desejo sucesso aos empresários presentes ao seu negócio e sorte na escolha dos colaboradores.

 

Luiz Alberto Mota Amorim
Consultor Especializado em Vendas
Treinamento Especial para Óticas
amorim.executivo@gmail.com

Guia sobre gestão financeira para Ópticas
ssOtica

CEO e fundador do ssOtica. O ssOtica é um sistema de gestão específico para Ópticas. Com ele você organiza as informações de forma simples e fácil, reduzindo custos e aumentando a produtividade da sua loja.

Esse comentário possui 2 respostas

  1. Maria Paula says:

    Excelente Artigo

  2. Rozenda Maria says:

    Gosto de ler sempre artigos sobre ótica,sempre se aprende algo de valor porque nunca se sabe tudo….

Deixe seu comentário

Você pode utilizar esses códigos HTML ou esses atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>